FANDOM


KayoSCPPerfil
Mas temos que dar duro em nosso trabalho!

Ainda estamos costurando este artigo e ele pode estar incompleto, com informações duvidosas ou repleto de erros gramaticais. Não se esqueça de retornar quando ele estiver pronto.

Sentimos muito por quaisquer problemas!

Esta é uma lista de personagens secundários que apareceram ou são mencionados em Alfaiate de Enbizaka, incluindo a música e outras mídias relacionadas.

Eikichi Akagi Editar

Eikichi Akagi era um detetive de Enbizaka. Eikichi nasceu em Momogengou em algum momento durante a virada do século IX do EC, tornando-se amigo de Yuka Musupi. Depois que Kokutan-douji nasceu na vila em EC 828, Eikichi soube que o menino aparentemente nasceu de uma árvore de ébano. Ao crescer, Eikichi se tornou o detetive do escritório do magistrado em Izasa, em Enbizaka. Durante o curso de seu trabalho, ele se familiarizou com o policial Uibee e cooperou com ele em várias ocasiões. Desmotivado, ele muitas vezes ignorava o trabalho e se escondia na loja de grampos de cabelo de Oyuka.[1]

Na primavera de EC 842, Eikichi adormecia quando foi despertado por notícias de que o corpo de uma mulher foi encontrado na rua principal. Correndo para a cena do crime, ele foi informado por Uibee que a mulher, Mei Miroku, havia sido assassinada por uma ferramenta afiada; ele então ouviu a hipótese de Uibee de que ela fora assassinada por um ladrão nível médio, já que seu quimono estava faltando.[2] Depois que Miku Miroku foi encontrada assassinada de forma semelhante alguns meses depois, Eikichi investigou seu cadáver e depois compartilhou os detalhes com Oyuka. Depois de confirmar a identidade da vítima, ele começou a investigar a cidade com os outros oficiais do escritório do magistrado em busca de pistas.

Mais tarde, ele ouviu que Kokutan-douji, Inukichi e Saruteito estavam indo para Enbizaka e estavam punindo criminosos para "exterminarem demônios" ao longo do caminho. Poucos dias depois que a Firma Yarera-Zusco se envolveu no caso do assassinato, Eikichi visitou a loja de Oyuka e recebeu broncas por se esconder de seus deveres e obstruir seus negócios. Ele então discutiu como seu próprio trabalho estava sendo obstruído pela Firma Yarera-Zusco, pois Kiji Yarera estava na esperança de se vingar do assassino de seu amante.

Então a conversa deles se voltou para Momogengou e Eikichi compartilhou o que ele ouvira sobre Kokutan-douji e seus amigos. Os dois debateram sobre porque ele viria, depois decidirem que ele talvez poderia ter ouvido os rumores sobre o assassinato e chegado para resolvê-los. Como Eikichi considerou dar o caso para Kokutan-douji, Oyuka repreendeu-o novamente por sua preguiça e ele foi embora.[3] Eventualmente, Kayo Sudou foi presa pelos assassinatos e Eikichi retornou à sua rotina de se esconder com Oyuka.[4]

Jahime Hatsune Editar

Jahime Hatsune foi uma princesa de Jakoku durante os anos 540 do EC e a filha de Nobunaga. Nascida como membro da nobre família Hatsune em algum momento durante o século VI EC, Jahime cresceu e se tornou uma princesa egoísta, gastando dinheiro em si mesma. Após a morte de seu pai nas mãos de seus subordinados rebeldes, Jahime decidiu que ela queria toda a Jakoku, aliando-se com a maga Julia IR e sua ordem de mago. Conquistando os outros estados de Jakoku, a princesa trabalhou para expandir sua influência, determinada a realizar o sonho de seu pai de unir a nação.

A facção de Jahime foi posteriormente combatida por Gaou Octo e seus companheiros, as magas Elluka Clockworker e Gumillia e a velha ferreira Chartette Langley. Eventualmente derrotada por Gaou na Batalha de Jagahara, Jahime conseguiu sobreviver ao conflito e testemunhou a coroação da família Tokugawa como os novos governantes de Jakoku. Amargurada, a princesa perseguiu Julia IR e a expulsou do país. Mais tarde, um Contos de Fadas dos Freezis foi escrito sobre ela. Ela é possivelmente representada pela Vocaloid Hatsune Miku.

Kinouna Editar

Uma idosa esposa de Kurookina que vivia em Momogengou. Um dia, o marido trouxe para casa parte de uma árvore de ébano, brilhando com uma luz fraca. Embora impressionada pelo acontecimento raro, ela ficou preocupada com as consequências de pegar o baú; quando ela tentou devolvê-lo, ele se separou e revelou um bebê chorando lá dentro. Embora seu marido aterrorizado tentasse expulsar o bebê, Kinouna convenceu-o a mantê-lo, encantada com o cabelo dourado da criança.

Adotando o estranho bebê, eles o chamaram de "Kokutan-douji" por causa de suas origens de uma árvore de ébano e o criaram como seu próprio filho, com Kinouna forçando a criança a aprender os sutras budistas. Quando Kokutan tinha quatorze anos, ele partiu sozinho para encontrar sua verdadeira mãe. Enquanto ele estava fora, Kinouna abrigou o monge viajante Gakusha por uma noite, e o expulsou no dia seguinte.

Kurookina Editar

Um idoso marido de Kinouna que vivia em Momogengou. Ele era conhecido por amar coisas que eram de ouro ou de valor. Um dia, enquanto subia as montanhas, ele descobriu uma árvore de ébano com seu tronco brilhando levemente. Percebendo que poderia haver algo valioso por dentro, o velho cortou aquela parte da árvore e levou-a para casa. Depois de mostrá-lo para sua esposa, ela tentou levá-lo a devolver o tronco, por medo de uma série de consequências que poderia vir a acontecer. O tronco se abriu durante isso, e Kurookina ficou aterrorizado com o bebê chorando que saiu deste.

Depois de ser convencido por sua esposa, Kurookina adotou o bebê junto com ela e o chamaram de "Kokutan-douji" por causa de suas origens de uma árvore de ébano. Aos quatorze anos, Kokutan partiu para encontrar sua verdadeira mãe. Enquanto ele estava fora, Kurookina com sua esposa abrigou o monge viajante Gakusha por uma noite.

Miroku (mãe) Editar

Uma mulher Jakokuesa e a mãe de Kai. Nascida em algum momento durante o século IX do EC, ela acabou sendo estuprada por um homem Marlon e ficou grávida. Ao dar à luz um menino, ela o nomeou de Kai e o criou por dez anos antes de eventualmente cometer suicídio. Sua morte mais tarde levou seu filho a se juntar às Missas Anti-Estrangeiros Cobertas por Carmesim.

Nagare Sudou Editar

Nagare Sudou era um alfaiate habitante de Jakoku e o pai de Kayo. Nascido durante a virada do século IX do EC, Nagare tornou-se um alfaiate e em algum momento entrou em um relacionamento com Kagura Octo, que, sem que ele soubesse, era o Demônio da Inveja no corpo de Kagura. Eventualmente, os dois fugiram, com Nagare iniciando uma alfaiataria em Enbizaka como fonte de sustento, e os dois geraram uma filha chamada "Kayo". Algum tempo depois, ele morreu devido a uma doença.

Nobunaga Hatsune Editar

Nobunaga Hatsune era um daimiô de Jakoku durante EC 540 e o chefe da família Hatsune. Em algum momento, ele gerou uma criança, nomeando-a como Jahime. Mais tarde, ele disse a ela de suas ambições de unir o país. Durante a guerra civil de Jakoku, Nobunaga eventualmente se tornou o daimiô mais poderoso do país, para mais tarde ser morto em uma rebelião por seus subordinados.

Ren Sudou Editar

Ren Sudou era filho de Gakuga e Kayo Sudou, nascido em EC 838 em Enbizaka, Jakoku. Quando houve um grande incêndio mais tarde naquele ano, Kayo pegou a criança em seus braços enquanto eles tentavam fugir. Depois que uma casa em chamas caiu em Kayo, ela perdeu o controle do bebê. Algum tempo depois, Ren morreu no fogo. Com cabelos loiros e olhos azuis, Kayo começou a ver seu filho em qualquer pessoa que compartilhasse os mesmos traços. Ele é possivelmente representado pelo Vocaloid Kagamine Len.

Referências Editar

  1. Pecados Mortais: A Alfaiate de Enbizaka - Capítulo 1, Ato 5
  2. Pecados Mortais: A Alfaiate de Enbizaka - Capítulo 1, Ato 4
  3. Pecados Mortais: A Alfaiate de Enbizaka - Capítulo 1, Ato 5
  4. Pecados Mortais: A Alfaiate de Enbizaka - Capítulo 5